Convex Datacenter
  • Do coração do Brasil para o 10º Transcatarina

    freio de mão-transcatarina2018.jpg

    Distrito Federal e Goiás estarão bem representados na edição dos 10 anos do Transcatarina. A região pega carona no rali de regularidade a bordo de oito veículos 4x4, que cortarão cerca de 800 quilômetros pelas trilhas catarinenses

    E a partir da próxima segunda-feira, 09 de julho, pilotos e navegadores de diversas regiões do País (até o momento, vindos de 12 Estados e aproximadamente 100 cidades) iniciarão deslocamento rumo a serra catarinense, mais precisamente no Meio Oeste do Estado. No município de Fraiburgo (SC), estará o 10º Transcatarina, pronto para a edição histórica dos 10 anos – de 10 a 14 de julho, com pernoite em Rio Negrinho e chegada em Blumenau (SC).

    O evento é composto por seis categorias, sendo de competição (Máster, Graduado, Turismo e Turismo Light) e de passeio (Passeio Radical e Adventure). E o que chama mais atenção é a quantidade de caravanas que se formam de determinadas regiões para participar do Transcatarina. A paixão que move esses off-roaders constrói verdadeiras famílias que, ano após ano, consolidam grandes amizades.

    Exemplo disso é a turma do Distrito Federal e Goiás que se juntou para participar do Transcatarina e estarão em oito carros para acirrar o grid. O piloto Adinirso Ferreira de Siqueira, de Goiânia (GO), faz parte do comboio e seguirá ao lado do filho, o navegador Guilherme de Sousa Siqueira (eles estiveram no Transcatarina pela primeira vez em 2017). “Eu e meu filho disputamos a categoria Turismo. Tivemos problemas mecânicos logo no início do certame e, por isso, não fomos bem. Entretanto, demos a volta por cima e vencemos a etapa do terceiro dia”, contou Siqueira, que completou. “Este ano, competiremos pela categoria Graduados. Temos consciência de que a nossa possibilidade de pódio é menor (devido a concorrência de duplas mais experientes), mas o nosso objetivo é adquirir experiência em um rali de regularidade de maior nível técnico e de competitividade acirrada. A expectativa é subir no pódio pelo menos um dia e quem sabe ficar entre os dez na classificação geral”.

    Entre os representantes de Brasília, DF, estarão Armando Henrique Villas Boas Dias Cabral e Rita de Cássia Mendonça. O piloto conta que participou do Transcatarina pela primeira vez em 2011, a convite do amigo Alexandre Breckenfeldt (que já não compete mais). “Voltamos de lá apaixonados e começamos a convidar todos os nossos colegas. Mobilizamos vários competidores e o fato de o Transcatarina surpreender positivamente e deixar uma boa impressão, faz com que cada participante que vai pela primeira vez retorne e, ainda, seja um multiplicador de boas referências”, salientou Cabral, que é um dos responsáveis pela formação da “delegação” do Distrito Federal / Goiás.

    Além deles, marcarão presença pela categoria Graduado: Francisco Busch Magno, Cristiano Antônio Rocha, ao lado do navegador Anderson Alves Brandão (de Silvania, GO), Dina Alves Borges de Alencastro, ao lado do navegador Lourival Roldan (Embu das Artes, SP). E pela Turismo estarão as duplas Fernando Ferreira/Gessica Thays Alves de Jesus, Luiz Antônio Signates Freitas/Nayane Ferreira Silva Signates e Raul Damasio Perillo/Débora Luiz Gonçalves.

    Resgate de um sonhoNa edição de dez anos do Transcatarina, Cabral seguirá em busca da realização de um sonho da adolescência: pilotar em um grande evento de rali. Ele explicou que começou a participar de ralis em 1987, no Rio Grande do Sul, como piloto de um Fiat 147 – emprestado de sua mãe (mas por diversas razões parou de pilotar).Em 2008, já morando em Brasília, comprou um VW Gol 1994 – ícone para o rali na época –, e participou de várias provas de iniciante em 2008, 2009 e 2010. Porém, como o rali de regularidade se direcionou para os automóveis 4x4, o carro de Armando não era mais apto a subir para as categorias graduadas. Mas, em 2011, para alegria dele veio o convite do amigo Alexandre Breckenfeldt para navegar no Transcatarina. “Ele acreditava que uma pessoa com visão de piloto, poderia ser um bom navegador. Participamos juntos das edições de 2012, 2013 e 2014, e aprendi a gostar de ser navegador”, contou.

    A partir de então, Armando começou a aprimorar suas habilidades de navegador, até graduar-se. Hoje, casado com a também piloto e navegadora Rita de Cássia Mendonça, teve a oportunidade de comprar um 4x4, e com uma Mitsubishi TR4ER, enfrentarão os desafios do 10º Transcatarina. “Participei despretensiosamente do Transcatarina 2011 e encontrei o rali dos meus sonhos em termos de dificuldade do terreno e elaboração técnica da prova; é impecável no visual, nos locais por onde passamos, e em termos de desafio do clima (estou acostumado com o calor e em Santa Catarina é bem frio). É uma competição que traz um mix completo de dificuldades e surpresas”, declarou o piloto, que completou. “Tenho ainda a felicidade de estar sob a navegação da minha esposa, acredito que somos privilegiados por participarmos do rali em família”.

    As inscrições do 10º Transcatarina seguem abertas, mas as vagas disponíveis estão quase terminando: www.transcatarina.com.br.