• 2º Gran Premio de la América del Sur de Rally percorrerá 10 países

    -w_h_05_patagonia26_1.jpg
    A direção geral do 2º Gran Premio de la América del Sur, prova de rali de regularidade, enviou a comunicação e o pedido de chancela da Confederação Brasileiro de Automobilismo - CBA - para a realização das etapas brasileiras do evento que percorrerá dez países da América do Sul a ser realizado nos meses de abril e maio de 2014.

    O presidente da Comissão Nacional de Rally, Djalma Neves esteve reunido recentemente com os organizadores do Gran Premio em Buenos Aires, quando foi apresentada a empresa Juan Carlos Asef ME como responsável pela realização das cinco etapas brasileiras que terão como apoio as cidades de Rio de Janeiro, Brasília, Cuiabá, Manaus e Boa Vista, capital de Roraima, no extremo norte do Brasil as margens do Rio Branco.

    O projeto da realização do evento tem a direção geral do francês Jean Pasture, lendário piloto com participações em provas das Ilhas Canárias, Chile e principalmente nos Grandes Prêmios da Argentina nos anos 1958, 1959, 1960 e 1961, além de ter contribuído efetivamente para a concretização da Vuelta a la América del Sud de 1978, realizada por iniciativa de Juan Manoel Fangio. E será organizado pela ACARA - Associação dos Concessionários de Automotores Argentinos, e pela Fundación Motores para la Paz, contando ainda com o apoio da ALADDA - Associação Latino-americana de Distribuidores de Automotores e a NACAN FIA - associação que representa as instituições de Automobilismo desportivo dos países da América do Norte, Central e Caribe.

    O 2º Gran Premio de la América del Sur traz números e características interessantes do esporte a motor, começando pelo longo trajeto de 29.500 quilômetros que serão percorridos ao longo de 37 dias, passando por dez países da América do Sul: Argentina, Uruguai, Paraguai, Brasil, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Chile. Serão 22 etapas com parques de apoio nas dez capitais e outras doze cidades, entre elas: Buenos Aires, Cusco, Bariloche, El Calafate e Ushuaia.

    Para os organizadores, a competição, que disponibiliza 400 vagas para veículos standard de fábrica, será uma releitura da epopeia La Buenos Aires - Caracas, realizada em 1948 e que teve como estrelas o pentacampeão de Fórmula 1 Juan Manoel Fangio e o vencedor Domingos Marimón.

    "O Gran Premio de la América del Sur mostrará a união entre as diversas nações que compõe o continente Sul-americano, propondo um resgaste da história destes países e mostrando a riqueza natural e potencial econômico que possuem", ressalta o produtor da etapa brasileira Juan Carlos Asef que estima um público de 35 milhões de expectadores contando com pelo menos 900 pontos entre cidades, povoados e vilarejos.

    O Rali ainda quer mostrar que o automóvel é um importante meio de transporte entre os nossos países tendo como objetivo propor a fusão de aspectos desportivos, turísticos, ecológicos, culturais e sociopolíticos em um mesmo evento. É também filosofia do Gran Premio atrair novos investimentos mundiais, atestar a solidez das relações dos países sul-americanos, assim valorizando a integração regional, hoje refletida na Unasur.

    Data: Abril e Maio de 2014 Duração: 37 dias Percurso: 29.500 quilômetros Veículos: Standard de fábrica Países participantes: Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

    Fonte: 360 Graus
Topo